Ads Top

[Análise] Jornalista diz que Mourão estaria sendo preparado para derrubar Bolsonaro


Início da matéria
[Análise] Jornalista diz que Mourão estaria sendo preparado para derrubar Bolsonaro

Uma publicação da mídia esquerdista Brasil247 feita nesta terça-feira (21) tratou de um tema que tem sido alvo de preocupação entre os apoiadores do presidente Jair Messias Bolsonaro, ou pelo menos parte deles, desde o início do seu mandato, após uma série de especulações e críticas contra os militares, feita pelo escritor Olavo de Carvalho.

Se trata da suspeita de que o general e vice-presidente Hamilton Mourão faria parte de uma conspiração entre os militares e parlamentares do "centrão" para derrubar o presidente Jair Bolsonaro, visando a tomada de poder pelo mesmo, com o apoio da oposição, pela manutenção dos interesses de grupos político (criminosos) poderosos que hoje sobrevivem graças à velha política.



"Se preparam para cumprir a Etapa 2 do projeto: livrar-se de Bolsonaro & prole, entronizando Mourão, que vem sendo diligentemente preparado para isso", disse a jornalista Hildegard Angel, garantindo que a fonte (anônima) dessa informação é "confiável".

"Ouço de fonte irrefutável que há dois cientistas sociais, jovens e competentes, assessorando Mourão. As reações sóbrias do militar de agora, os comentários racionais, a postura contida e reservada, na contramão do que ele demonstrou na campanha, e adequados a um chefe de Estado, vêm sendo orientados e lapidados com cuidado por essa força-tarefa em dupla. Tudo do jeito que Bolsonaro não faz", completa.

MBL e Janaína Paschoal




Ainda segundo a jornalista, não seria por acaso que o Movimento Brasil Livre (MBL) e a deputada Janaína Paschoal estariam com ressalvas contra o governo (o MBL, neste caso, de forma mais explícita). Ela insinua que eles fariam parte dessa conspiração.

"Atentem que não é por mero acaso que MBL e Janaína Paschoal neste momento unem suas vozes contra a manifestação do 26. Ambos servem ao mesmo propósito e à mesma esfera de poderes internos e externos - via Instituto Millenium e outras forças da elite - que articularam o golpe contra Dilma, a prisão de Lula, e que pretendem aprovar as reformas neoliberais e a entrega total do país", diz Angel.



"Forças que se ocultam na escuridão, e que impedem, por exemplo, as prisões dos tucanos master envolvidos até a testa em corrupção, malas de dinheiro, contas na Suíça e em paraísos fiscais, tudo já devidamente demonstrado, mas que seguem impávidos colossos", acrescenta.

Afirmação maliciosa?


O leitor menos cauteloso, apoiador do governo que ai está, poderá ler tal informação e acreditar que é tudo verdade, confiando nas palavras ecoadas pela conhecida mídia ativista de esquerda Brasil247. Ocorre que no cenário político, especialmente quando falamos de uma ala derrotada, nada pode ser assimilado sem o devido olhar crítico.



Desde o início do mandato de Jair Bolsonaro o governo tem enfrentado conflitos internos, e boa parte deles partiram justamente da suspeita (levantada inicialmente por Olavo de Carvalho e depois acoada largamente por seus pupilos, entre eles os filhos de Bolsonaro) de que os militares estariam planejando um golpe contra o presidente.

Acontece que tais conflitos minaram a força do governo, uma vez que a imagem de união e confiança em sua base de apoio foi prejudicada. Os militares, por sua vez, reagiram obviamente às críticas, mas sempre em resposta e não como ataque gratuito. Mourão, que de fato começou falando demais, entendeu que precisaria calar e se conter.



Desde então a oposição entendeu qual é a estratégia contra o governo: dividir a sua base de apoio. Eles entenderam que externamente o presidente Bolsonaro possui força, porque vem da população, mas que internamente, considerando políticos, partidos, diferentes grupos e lideranças, seria mais fácil organizar oposição para travar os avanços pretendidos pelo governo.

A declaração da jornalista Hildegard Angel é digna de atenção? Sim, é! Mas é digna de confiança? Não, não é! É importante ouvir e sondar, cautelosamente, diferentemente do que fizeram os filhos do presidente (sem jogar teorias especulativas no ventilador das redes sociais), mas por uma questão de prudência mesmo do que por credibilidade.


E a razão disso é porque tais declarações podem ser nada mais do que mais uma tentativa de pulverizar polêmicas, intrigas e divisão, visando mais uma vez desviar o foco do governo e da sua base de apoio do que realmente interessa para o país e é, não por acaso, o que fará Bolsonaro ter sucesso em seu mandato: aprovação das reformas e o combate à corrupção.

Não seria por acaso, portanto, que tal manchete sensacionalista do Brasil247 tenha surgido na semana de preparação para o dia 26. O objetivo seria fazer ecoar essa especulação entre os manifestantes, para que ela apareça nas manifestações e vire tabloide nos grandes jornais do país? Talvez sim! Isto alimentaria o problema de antes, entre "olavistas e militares", minando completamente o mérito racional dos protestos.

Por: Will R. Filho
Tecnologia do Blogger.
close