Ads Top

ALERTA: Cresce o número de suicídios de meninas entre 10 e 14 anos, aponta estudo


Início da matéria
ALERTA: Cresce o número de suicídios de meninas entre 10 e 14 anos, aponta estudo

Uma nova pesquisa do Nationwide Children's Hospital encontrou um aumento desproporcional nas taxas de suicídio entre jovens do sexo feminino em relação ao sexo masculino, particularmente em jovens dos 10 a 14 anos. O relatório, que descreve as tendências de suicídio de jovens nos Estados Unidos de 1975 a 2016, foi publicado esta semana no JAMA Network Open.

O suicídio é a segunda principal causa de morte entre os jovens de 10 a 19 anos nos EUA, com taxas historicamente mais altas entre os homens do que entre mulheres. No entanto, relatos recentes dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças revelam que as mulheres jovens estão experimentando um aumento percentual maior nas taxas de suicídio em comparação aos homens.



Dra. Donna Ruch, pesquisadora de pós-doutorado no Centro de Prevenção e Investigação do Suicídio no Instituto de Pesquisa do Hospital Infantil Nationwide, examinou essas tendências investigando as taxas de suicídio entre jovens dos EUA entre 10 e 19 anos de 1975 até 2016.

Os pesquisadores descobriram que, seguindo uma tendência de queda nas taxas de suicídio para ambos os sexos no início dos anos 90, as taxas de suicídio aumentaram para ambos os sexos desde 2007, mas as taxas de suicídio para as mulheres aumentaram ainda mais.

Houve um aumento significativo e desproporcional nas taxas de suicídio entre as mulheres em relação aos homens, com o maior aumento percentual se concentrando nas adolescentes. Essas tendências foram observadas em todas as regiões do país.



"No geral, encontramos um aumento desproporcional nas taxas de suicídio de jovens do sexo feminino em relação aos homens, resultando em um estreitamento da diferença entre as taxas de suicídio entre homens e mulheres", disse a Dra. Ruch.

Quando os pesquisadores analisaram os dados por método, descobriram que as taxas de suicídios femininos por enforcamento ou sufocamento se aproximam a dos homens. Isso é especialmente preocupante à luz do paradoxo de gênero no comportamento suicida, de acordo com o Dr. Jeff Bridge, diretor do Centro de Prevenção e Pesquisa de Suicídio da Nationwide Children's e co-autor do novo estudo.



Dr. Bridge disse que as mulheres têm taxas mais altas de comportamento suicida não fatal, como pensamentos e tentativas de suicídio, mas mais homens morrem por suicídio do que as mulheres.

"Um dos potenciais contribuintes para este paradoxo de gênero é que os homens tendem a usar meios mais violentos, como armas de fogo ou enforcamento", disse o Dr. Bridge. "Isso torna o estreitamento do hiato de gênero no suicídio por enforcamento ou sufocação que achamos especialmente preocupante por uma perspectiva da saúde pública."

Os pesquisadores pediram que trabalhos futuros examinem se há fatores de risco específicos de gênero que mudaram nos últimos anos e como esses determinantes podem informar a intervenção.



"Do ponto de vista da saúde pública, em termos de estratégias de prevenção do suicídio, nossas descobertas reiteram a importância de não apenas abordar as necessidades de desenvolvimento, mas também levar o gênero em consideração", disse a Dra. Ruch.

O Dr. Bridge enfatizou que perguntar diretamente às crianças sobre o suicídio não irá desencadear pensamentos ou comportamentos suicidas subsequentes.

"Os pais precisam estar cientes dos sinais de alerta de suicídio, que incluem uma criança fazendo declarações suicidas, sendo infeliz por um longo período, retirando-se amigos ou atividades escolares ou sendo cada vez mais agressivo ou irritável", disse ele. “Se os pais observarem esses sinais de aviso em seus filhos, eles devem considerar levar a criança para procurar um profissional de saúde mental.”

Comentário:



Sobre a conversa direta com o filho ou filha, ela só deve existir dentro de um contexto específico, nunca fora dele. E qual contexto seria esse? Justamente quando a criança manifesta os sintomas emocionais relativos ao pensamento suicida. Precisamente, quando ela mesma verbaliza isso, geralmente com palavras como "não queria viver", "não queria ter nascido", "não queria estar aqui", ou ainda mais explicitamente.

Uma conversa sobre suicídio fora desse contexto pode, sim, induzir na criança a curiosidade sobre o assunto, de modo que algo até então impensado por ela venha a fazer parte do seu universo imaginário.

Porém, quando o assunto já faz parte do seu discurso, ai a situação é outra. No lugar de reprimir e evitar a elaboração do assunto, os pais (especialmente os profissionais de saúde mental capacitados para isso, os psicólogos) devem dialogar, visando a liberação da angústia da criança que serve como gatilho para a elaboração da ideação suicida.

Comentário: Will R. Filho
Tecnologia do Blogger.
close