Ads Top

Doria "genocida"? Em triste recorde, SP registra 1.209 mortes por covid-19 em 24h

Doria "genocida"? Em triste recorde, SP registra 1.209 mortes por covid-19 em 24h


O estado de São Paulo registrou, nesta terça-feira (30), o triste recorde de 1.209 mortes nas últimas 24 horas em decorrência da contaminação com o Covid-19, o que mantém o estado governado por João Doria (PSDB-SP) no topo em número de óbitos no Brasil.


O número é o maior desde o início da pandemia e, de acordo com a administração estadual, tem dados acumulados do final de semana, quando habitualmente são registrados menos óbitos. O maior registro no período de 24 horas havia ocorrido, até então, na sexta-feira (27), quando 1.193 pessoas morreram em decorrência da doença.


Desde o início da pandemia são 73.492 mortes e 2.446.680 casos, sendo 21.360 casos registrados de ontem para hoje. Entre os recuperados estão 2.106.294 pessoas e dessas 245.595 pessoas que estiveram internadas e receberam alta hospitalar.


Até a segunda-feira (29), havia 31.041 internados, sendo 12.946 pacientes em leitos de Terapia Intensiva e 18.095 em enfermaria. As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 92,3% no Estado e de 92,6% na Grande São Paulo.


Mesmo assim, a Fase Emergencial do Plano São Paulo foi prorrogada até o dia 11 de abril, com a manutenção das restrições mais rígidas com o objetivo de garantir a assistência à vida e conter a sobrecarga em hospitais de todo o Estado, além de frear o aumento de novos casos, internações e mortes pelo coronavírus. Com informações: R7


Doria "genocida"?


Chama atenção o fato do governador João Doria não ser tratado como um suposto "genocida", como tem sido o presidente da República, Jair Bolsonaro. Afinal, qual é o critério para tamanha acusação? Não é o número de mortos? 


Afinal, se o Brasil governado por Bolsonaro, possui um número de óbitos menor por milhão de habitantes se comparado ao estado de São Paulo (se este fosse um país), ou no mínimo equivalente, por qual razão Doria, governador de SP, também não é chamado de "genocida"?


Não importa a postura de ambos diante das medidas e meios de tratamento do coronavírus. O que importa são os números e as responsabilidades individuais de cada um em suas respectivas gestões. O presidente, pelo menos, não deixou de repassar recursos federais ao estados, e o que fizeram os governadores com os BIlhões recebidos? 


Logo, não faz sentido chamar o presidente da República de "genocida" e tratar o governo de São Paulo como amigo da "ciência", pois mesmo sendo o estado que mais defende a tal "ciência" e medidas anti-pandemia, SP continua apresentando os piores resultados em número de mortos. Por que será?

Tecnologia do Blogger.
close